Todo País

Continente e Ilhas

Todo o Ano

Em horário alargado

Fale connosco

212 841 984

PALAVRAS COM CUIDADO

Aqui vamos falar de saúde mas também vamos partilhar histórias de coragem, experiências de superação, muitas dicas de bem-estar. Vamos trocar por miúdos terminologias médicas e descomplicar temas, vamos abordar a vida que acontece e lembrar vidas que aconteceram. Aqui as palavras são escritas com o cuidado que merece.

Pneumonia: A Capitã Mortal dos Homens

A Pneumonia (PMN) é uma doença conhecida desde os primeiros registos encontrados de medicina, considerada uma das patologias mais antigas a exibir um nome e um diagnóstico específico (Marrie, T., 2002, Community-Acquired Pneumonia).

E foi através de Hipócrates (460-370 a.C.), pai da medicina e com o seu notável trabalho e respectiva dedicação que a evolução e o conhecimento desta doença desabrochou, com as suas primeiras abordagens descritivas da mesma. 

Mas qual a sua importância?

No inicio do séc. XX Sir William Osler, conhecido como o pai da medicina moderna, viria a referir PMN como a capitã mortal dos homens, visto que a taxa de mortalidade era muito alta comparada com outras doenças pulmonares, como por exemplo a Tuberculose (Marrie, T., 2002, Community-Acquired Pneumonia).

Contudo, e apesar dos esforços e estudos desenvolvidos, continua a prevalecer até à data a dificuldade em gerir esta grave doença.

De acordo com a World Health Organization (WHO), a PMN foi a causadora de 15% do total de mortes em crianças menores de 5 anos de idade em 2015, tendo sido considerada a 1ª causa de morte de acordo com a faixa etária.

Também, e segundo a Fundação Portuguesa do Pulmão (FPP) a PMN é uma doença que anualmente causa 4.2 milhões de mortes à escala mundial sendo 1.4 milhões, crianças com menos de 5 anos de idade.

No nosso país adoecem por dia 400 pessoas com PMN, que obrigam a 120 internamentos (estudos realizados em 2011) e provocam 14 óbitos (estudos realizados em 2010).

A PMN é considerada a 3ª causa de morte por doença em Portugal e apresenta maior prevalência em crianças pequenas, idosos, doentes crónicos (DPOC, diabetes) e imunodeprimidos.

De um ponto de vista económico encontra-se igualmente impactante.

Segundo o Dr. Filipe Froes, médico pneumologista e membro da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), numa entrevista dada à News Farma, publicada a 15 de Abril de 2016, a cada quatro dias e meio são registados 1 milhão de euros em custos directos por internamento devido à pneumonia adquirida na comunidade (PAC), o que se traduz em 80 milhões de euros por ano.

Refere ainda que "a incidência da pneumonia aumenta porque cada vez vivemos mais com doenças crónicas", e um exemplo muito comum é a presença de DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica), que apresenta um risco 20 vezes superior de vir a adquirir PMN.


Pneumonia

Consensualmente, a WHO, a FPP e a SPP descrevem PMN como uma doença inflamatória aguda de causa infecciosa (vírus, bactérias, fungos e outros) que afecta os pulmões, ou mais precisamente o parênquima pulmonar.

O pulmão é constituído por milhões de pequenos sacos de ar, chamados alvéolos, que se enchem de ar quando respiramos. Contudo na PMN os alvéolos encontram-se preenchidos de pús e liquido, levando a uma deficiente entrada de oxigénio para o organismo, com as consequentes lesões.


Classificação da Pneumonia

Actualmente a PMN pode ser dividida de um modo geral em:

  • PAC (pneumonia adquirida na comunidade);
  • PN (pneumonia nosocomial);
  • PAVM (pneumonia associada a ventilação mecânica).

Muito resumidamente:

  • A PAC refere-se à doença adquirida fora do ambiente hospitalar ou de outras unidades de saúde, ou ainda, que se manifesta até 48h após a admissão à unidade hospitalar/ unidade de saúde;
  • A PN é definida como a pneumonia que ocorre até 15 dias após a alta hospitalar ou após 48 horas de um internamento hospitalar;
  • A PAVM é aquela que surge entre 48 a 72 horas após uma intubação orotraqueal e instituição de Ventilação Mecânica Invasiva.

Sinais e Sintomas:

  • Febre (normalmente elevada);
  • Tosse;
  • Secreções de coloração amarelada, esverdeada ou cor de ferrugem;
  • Dispneia (Falta de Ar);
  • Dor Torácica;
  • Taquipneia (aumento da frequência respiratória);
  • Taquicardia (aumento da frequência cardíaca);
  • Cianose (descoloração azulada da pele);
  • Arrepios;
  • Cefaleias (dores de cabeça);
  • Mialgias (dores musculares);
  • Mal estar generalizado;
  • Entre outros.

A SPP e a FPP alertam ainda para o facto de que um doente infectado tem sintomas semelhantes ao de outras doenças do sistema respiratório e não só, pelo que é difícil de detectar, retardando assim o seu diagnóstico.


Diagnóstico

  • História clínica do paciente;
  • Auscultação Pulmonar;
  • Raio X (possíveis sinais de consolidação pulmonar e opacidade);
  • Avaliação da Expetoração;
  • Análises clínicas;
  • TC (Tomografia Computorizada);
  • Broncoscopia;
  • Entre outros.

Ter em conta que a realização de exames complementares de diagnóstico dependerá da avaliação médica e da sua respectiva necessidade.


​Tratamento

No que respeita ao tratamento aplicado, se for de foro bacteriano será tratado com os respetivos antibióticos em esquema e duração adequados. No entanto haverá todo um procedimento de avaliação médica, que terá em conta o estado clínico do paciente, possíveis agentes etiológicos e respetiva via de administração medicamentosa.

Como método auxiliar surge aqui a Fisioterapia Respiratória, uma mais valia para o paciente e sua rápida recuperação.

Nas Pneumonias Virais será medicado com antivirais, e caso necessário poderá necessitar de realizar Oxigenoterapia, AINEs (Anti-inflamatórios não esteróides) e antipiréticos.

No que diz respeito a internamento hospitalar, este, de acordo com a FPP e a SPP, não ocorre na maioria dos casos, contudo se se verificar um historial clínico que justifique o agravamento da PMN será aconselhável recorrer-se ao mesmo devido à evolução clínica não favorável nas primeiras 48-72h.


Prevenção

E sem exceção, e utilizando um bom ditado português, mais vale prevenir do que remediar, respeitando sempre os limites de cada paciente.

  • A vacinação (Pneumocócita e Antigripal) atualizada (factor primordial);
  • Adequada nutrição e hidratação (especial atenção em crianças a atravessar a 1ª infância e respetivos benefícios da amamentação materna);
  • Manter uma higiene adequada, como por exemplo lavar frequentemente as mãos e manter uma boa higiene oral;
  • Tomar medidas ambientais, dentro destas a cessação tabágica, a redução à exposição da poluição atmosférica, a redução da poluição interior de casas, fábricas ou escritórios, evitar ambientes sobrepovoados e mal ventilados e evitar a exposição ao frio intenso e ás alterações climáticas bruscas;
  • Controlo da doença crónica;
  • Exercício físico.

Fisioterapia Respiratória

A fisioterapia respiratória pretende de um modo geral:

  • Promover a melhoria da ventilação pulmonar;
  • Aumentar a saturação de oxigénio;
  • Mobilizar e remover secreções traqueobrônquicas;
  • Maximizar a tolerância ao exercício e atividades da vida diária (AVD´s);
  • Reduzir a dor.

Os fisioterapeutas para tal utilizam um arsenal de técnicas respiratórias que visam a higiene brônquica e expansão pulmonar em doentes ventilados e não ventilados, quer internados quer em regime ambulatório.

Para além das diversas técnicas respiratórias a aplicar de forma mais ou menos invasiva de acordo com a necessidade do paciente, o ensino ao mesmo é um dos fatores fundamentais a ter em conta. Contudo, toda a intervenção dependerá da avaliação prévia do paciente pelo o fisioterapeuta, querendo isto dizer que a escolha de técnicas deverá ser baseada num diagnóstico funcional, considerando uma terapêutica com menor gasto de energia para o paciente e consequentemente maior eficácia, respeitando o nível de cooperação e compreensão do mesmo.

Assim pretende-se:

  • Dificultar a progressão da doença prevenindo complicações respiratórias;
  • Reduzir a mortalidade e morbilidade;
  • Diminuir o tempo de internamento (se for este o caso);
  • Diminuir o número de recidivas;
  • Facilitar a readaptação do paciente à sua vida diária.

Por fim, é essencial ter presente que cada individuo é um individuo, ou seja, com uma historia clínica pessoal e intransmissível, pelo que referir algumas técnicas que são utilizadas no dia à dia, não é passível nem a melhor solução a aplicar, visto que o que é melhor para um poderá não ser para o outro, podendo conduzir a um agravamento clínico do mesmo, resulte este de má aplicação ou de pura negligência de fatores predisponentes que influenciam toda a dinâmica de intervenção.

Classifique este blog:
8
A problemática das quedas na população idosa
Fisioterapia Respiratória Pediátrica: Para que ser...

Related Artigos

 

© Fisiolar - Todos os direitos reservados.